comercial@athuzsolucoes.com.br   •   11 4942-1920

A hora de lucrar com a pequena empresa

Manter o fluxo de caixa sob controle é importante para obter retorno do capital investido no menor tempo possível

Por Bruno Saragioto, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Bematech

Todos os empreendedores se questionam, quando começam a trilhar o caminho para abrir o seu próprio negócio, quanto tempo leva para recuperar o capital investido na compra de máquinas e equipamentos, materiais, contratação de funcionário e outros itens essenciais para o funcionamento da empresa. A resposta a essa pergunta depende de um grande número de fatores, tais como o setor de atuação, a estratégia de marketing e de vendas, as condições macroeconômicas do país, entre outros muitos aspectos. O fato é que, quanto mais cedo o empreendimento começar a dar lucros, mais rápido será o payback.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 53,8% das empresas brasileiras abertas em 2008 deixaram de existir após quatro anos de atividade. Uma das causas principais para o fechamento prematuro de um novo negócio é o fim da capacidade de investimento dos sócios, obrigados a subsidiar as operações por um período maior do que haviam planejado inicialmente. Portanto, manter um controle adequado das finanças é fundamental para evitar a mortalidade precoce do empreendimento.

Amargar prejuízo nos primeiros meses ou até no primeiro ano é uma situação comum à maioria das pequenas e médias empresas. O problema ocorre quando o buraco parece não ter fundo e perdem-se as perspectivas de obter lucros que garantam o retorno do capital investido. Para evitar esse cenário, é preciso conhecer o ponto de equilíbrio do negócio – quando não há nem lucro, nem prejuízo.

O primeiro passo é identificar claramente o montante dos custos fixos, como aluguel, folha de pagamento, contas de luz e de água, e dos variáveis, formados pelos gastos necessários para fabricar um produto ou executar um serviço. Em seguida, deve-se calcular a margem de contribuição, que representa quanto a venda de cada produto contribui para pagar as despesas fixas e gerar lucro. Para fazer esse cálculo, subtraia o total de despesas variáveis da receita bruta auferida no período.

Ao conhecer o ponto de equilíbrio, indicador que mostra o quanto é necessário vender para que as receitas se igualem aos custos, o empreendedor já sabe quando a empresa começa a gerar lucro. Contudo, é necessário antever se esse patamar será superado ou não, para poder prever a tomada de empréstimos, a renegociação com fornecedores ou o corte de custos. É nesse momento que a gestão do fluxo de caixa surge como uma das ferramentas mais importantes para o empresário.

Gerenciar o fluxo de caixa implica em conhecer quanto foi vendido à vista e a prazo, qual o prazo médio de recebimentos e quais despesas serão pagas ao longo do mês. Além disso, é fundamental entender que nem todo o lucro obtido pode ser revertido em benefícios para os sócios, devendo-se reservar uma parte para ser reinvestido na atualização de equipamentos, expansão do estabelecimento, complementos de estoque e outras demandas que surgirão com o crescimento do negócio.

Ao fazer a projeção do fluxo de caixa para o longo prazo (12 meses, por exemplo), alguns empresários podem se deparar com uma conta negativa. Descobrem que terão mais despesas do que receitas e, então, podem avaliar quando é o melhor momento de fazer mudanças na precificação dos produtos ou de cortar custos. Por outro lado, é possível descobrir que o fluxo negativo persistirá apenas nos primeiros meses, enquanto a empresa ainda é nova e tem poucos clientes, mas a curva se inverte quando a base de consumidores aumentar. Essas previsões são de extrema relevância para avaliar quando haverá o retorno do capital investido.

Muitos dos empreendedores que se viram obrigados a fechar as portas do negócio pecaram na gestão do fluxo de caixa por não possuírem ferramentas adequadas para gerenciar a entrada de receitas e o dispêndio com fornecedores, funcionários e tributos. Manter o controle financeiro atualizado em meio às operações administrativas e à busca por novos clientes é uma tarefa difícil de ser executada com papéis e planilhas manuais. O investimento em soluções que automatizam esse gerenciamento ajuda a evitar sustos no futuro e a manter a empresa saudável e lucrativa.